Make your own free website on Tripod.com

Célula Animal

INTRODUÇÃO

ORGANITOS CITOPLASMÁTICOS
     
Ribossomas
     
Retículo Endoplasmático
     
Vacúolos
     
Complexo de Golgi
     
Mitocôndrias
     
Centríolos
     
Microssomas

NÚCLEO

 


INTRODUÇÃO


A unidade fundamental da vida é a célula e os organismos mais primitivos são os formados por uma única dessas unidades, que se encarrega de todas as funções essenciais.

PapagaioPlanta

Estas duas imagens representam dois exemplos de organismos com células animais e células vegetais: o papagaio, constituído por células animais e a flor por células vegetais. A grande diferença entre os dois reinos, vegetal e animal, é a capacidade das plantas em realizar a fotossíntese, coisa que todos os animais não conseguem.

Se bem que entre os organismos mais primitivos seja por vezes difícil de diferenciar entre animais e vegetais, a capacidade fotossintética destes últimos estabelece uma fronteira fácil de reconhecer entre os dois reinos, e ao mesmo tempo serve para distinguir aqueles seres que, por possuírem características de ambos, têm uma classificação própria. Os fungos são um bom exemplo deste último. Assim, os animais, mesmo os mais primitivos, não têm a capacidade de sintetizar os seus próprios alimentos, como fazem as plantas em geral. A célula animal consta de dois elementos básicos: o citoplasma (presente nas células vegetais), com as suas inclusões, e a membrana celular (presente nas células vegetais com a parede celular e por vezes a membrana esquelética) que o rodeia. Esta última é muito fina e só pode ser observada ao microscópio electrónico. É formada por três camadas, duas das escuras e uma clara, camadas essas que podem ser lisas ou cobertas de pelosidades (em especial nas células absorventes). Não constituem uma barreira intransponível, sendo antes uma periferia semipermeável que permite a passagem selectiva de substâncias em ambas as direcções. O citoplasma ou substância fundamental, é uma mescla coloidal que pode aparecer sem estrutura ou formar organitos, filamentos ou redes. Distinguem-se nele duas estruturas: as inclusões mais ou menos permanentes, como gotas de gordura, substâncias de reserva e produtos de excreção do metabolismo celular, e as estruturas permanentes que levam a cabo diversas funções. De todas as estruturas permanentes imersas no citoplasma, o núcleo (presente nas células vegetais) é a mais importante uma vez que rege a existência da própria célula. Junto com ele aparecem ainda o retículo endoplasmático, as mitocôndrias, o complexo de Golgi e o centríolo, entre outros.


ORGANITOS CITOPLASMÁTICOS


Os ribossomas (presentes nas células vegetais) são grânulos de ácido ribonucleico e proteína de tamanho variável que se encontram livres no citoplasma e que por vezes se reúnem em estruturas parecidas com um colar a que se dá o nome de polissomas; é no seu interior que durante a síntese das proteínas, se verifica o encadeamento dos aminoácidos segundo uma determinada sequência.

O retículo endoplasmático (presente nas células vegetais) é formado por uma rede de canais e cisternas que se mantêm em comunicação com as membranas celular e nuclear (presente nas células vegetais). A sua função é também muito importante na síntese proteica e participa de uma modo geral em todas as actividades metabólicas celulares.

O vacúolo é uma prega na membrana celular que engloba nutrientes líquidos e os faz penetrar no interior da célula. Nestas células, os vacúolos têm um tamanho reduzido enquanto que nas células vegetais, estes encontram-se bastante grandes (mediante a idade da célula).

O complexo de Golgi (presente nas células vegetais) é uma estrutura reticular formada por um conjunto de duplas membranas empilhadas. A sua função é participar na síntese das proteínas, produzir material para a membrana celular e, ainda, servir para a secreção e excreção da célula.

As mitocôndrias (presentes nas células vegetais) são corpos em forma de bastonete muito numerosos nas células indiferenciadas. Consistem numa espécie de saco de membrana dupla, com uma série de excrescências no interior. A sua principal função é servirem de enzimas na respiração celular e, ainda funcionarem como reservas de energia.

O centríolo (raramente presente nas células vegetais) é um pequeno corpúsculo formado por dois cilindros dispostos perpendicularmente em relação um ao outro, desempenham um importante papel funcional durante a mitose. Quando se dá a interfase situa-se nas proximidades do complexo de Golgi e do núcleo.

Os microssomas são inclusões plasmáticas de aspecto granular, os peroxissomas, corpúsculos rodeados de uma membrana unitária e que contém várias enzimas, e os lisossomas (presentes nas células vegetais), que também contêm diversas enzimas e desempenham um papel regulador nos processos metabólicos das células.

É importante referir que as células animais, ao contrário das células vegetais, não têm plastos ou plastídeos, logo não contêm clorofila ou outro plasto.


NÚCLEO


Núcleo de uma célula

É uma estrutura mais ou menos esférica, rodeada por uma membrana (presente nas células vegetais) e que contém os cromossomas (presentes nas células vegetais). Desempenham um papel essencial na divisão da célula, durante a qual perde a membrana e distribui o seu conteúdo pelas duas células filhas resultantes. Os cromossomas têm uma forma alongada e são constituídos por uma substância proteica na qual está imerso o duplo hélice de ácido desoxirribonucleico (ADN). O ADN é o portador dos genes e, portanto, dos caracteres hereditários. É a divisão do núcleo que habitualmente inicia a do citoplasma e durante ela verifica-se a duplicação de material hereditário, como que as duas células resultantes recebem a mesma informação genética. Este processo chamado mitose, tem lugar em quatro fases e tem uma duração variável.

Voltar